Acampando com bebê e criança

Sei que daqui uns anos já não estarei vivenciado a experiência de um camping com bebê e criança, será camping com criança e adolescente, camping com os amigos dos meus filhos (assim espero eu), ou até mesmo camping com os meus netos. Mas o que mais importa é que minha experiência poderá ajudar as mamães, futuras mamães e também deixar registrado para posteridade.

Quando recebemos o convite de uns amigos para acampar, nos empolgamos e decidimos retornar às nossas viajens de camping. Minha filha mais velha tem 7 anos e já é bem independente, está numa idade que curte passeios e ajuda com as tarefas diversas, até aí “tranquilo”, mas agora a família tem um novo integrante o Pietro, com apenas 6 meses.
E agora???????????
Surgem as dúvidas: como dar banho, qual o lugar mais confortável para o bebe dormir?, como fazer com a papinha? O camping tem trocador nos banheiros? Será que é muito quente? Será que é muito frio? O que eu preciso comprar?
Podem me chamar de exagerada ou desesperada, mas eu não me importo, pois me orgulho de ser uma mãe zelosa que se preocupa com o bem estar de seus filhos e família.
E eu adoro planejar! Procurar soluções na internet, sair para comprar as coisas, conversar sobre o assunto, é um verdadeiro prazer para mim.
Com essas perguntas na cabeça recorro ao nosso querido Google.
Uma das primeiras coisas que fiz foi procurar no Google “acampando com bebe”, eu esperava encontrar relatos de mães que acharam soluções práticas para a situação. Achei alguns fóruns em que várias pessoas falavam pra não acampar, que é loucura, mas também encontrei blogs úteis que têm excelentes dicas para as mamães, papais e campistas em geral
.
Vou compartilhar aqui no blog informações úteis sobre os locais, produtos que comprei e como foram nossos passeios.
Não sou expert no assunto, pelo contrário, estou adquirindo experiência e gostaria muito de receber opiniões e dicas de outras mamães também, como na minha página do facebook Mamãe fala, que tem o objetivo de compartilhar opiniões sobre os lugares e sua estrutura para receber crianças e bebês.

Advertisements

Barulho no camping e lei do silêncio

VYduNHGfwI-Q21VT-M5aYNdwmJsVou expressar minha opinião sobre o assunto do momento que é o barulho após as 22:00 hrs. Essa opinião é exclusiva minha, pois já estive dos dois lados, do lado de quem quer sossego e graças às minhas novas más companhias, agora vivenciei o lado de quem está curtindo uma boa roda de violão as 23:30 sem querer que o dia e a felicidade acabe:
Quando vou dormir gosto de silêncio, e quem não gosta? Nem vou usar meus filhos como desculpa porque o Pietro (1 ano e 8 meses) dorme profundamente em meio a bagunça e a Rafa de 9 anos sempre está no meio da bagunça então o problema sou eu mesmo. Aprendi a entender melhor a felicidade das pessoas em jogar conversa fora, tocar violão, por vivenciar isso. Dormir com o barulho e conversa dos meus amigos não me incomoda, não consigo dormir, mas me divirto com as histórias contadas a noite. Existem várias formas de lazer e cada um tem a sua.
Concordo com os horários limites, pois estes horários são universais, nos condominios residenciais existe a lei do silencio das 22:00 as 8:00 da manhã, pois são horários estipulados para as pessoas dormirem, mas existe um pequeno probleminha aí, nem todos dormem no horário universal, por isso acho que tem de haver um meio termo na comunidade campista.

Existem dois grupos:

1 – o grupo que quer descansar

2 – o grupo que quer se divertir

Ah também existe o terceiro grupo onde me encaixo que é de quem quer se divertir, também quer descansar, gostaria que os bagunceiros dormissem no mesmo horário que você e que os sossegados bagunçassem no mesmo horário que você. Infelizmente o meu mundo não existe. Então procuro manter o espirito campista que tem como objetivo fazer amigos e se preocupar com o próximo da melhor maneira possível.

Pensando em todos os grupos acho que a solução seria:

Grupo 1 (o do sossego)

a) Vocês querem descansar, então não acordem as 7:00 horas da manhã fazendo aquele baita barulho ou dizendo: “bom dia sol bom dia vida “achando que todos são obrigados a acordar com você.

b) Quando for pedir silencio use boa educação e tato ao falar com as pessoas, explique e peça educadamente que as pessoas diminuam o barulho ou que se dirijam a uma área isolada no camping, que não atrapalhe o sono dos colegas, assim você estará dando um bom motivo para as pessoas pensarem melhor no seu bem estar. Se você xinga ou pede com arrogância você está abrindo as portas para a discussão.

c) Seja mais compreensivo e mais tolerante pode se não ser um silencio absoluto e for uma conversa baixa, e de bom tom, deixe passar, lembre-se que um dia você poderá estar no outro grupo

d) E o som, a música, esse entra nos dois grupos, nem todos tem o mesmo gosto musical e camping não tem paredes, então se quiser ouvir música alta, ouça na sua casa, no seu carro, mas respeite o gosto e sossego dos outros.

Grupo 2 (o do divertimento)

a) Procure fazer o seu lazer durante o dia, como mudar o horário do churrasco no almoço se estendendo até a noite, tocando violão, escutando musica (claro que dentro do bom senso, porque me desculpem os funkeiros, mas ninguém gostaria que chegassem uma turminha do funk com o porta malas aberto e aquele volume de vender som na feira livre), dando risadas e as 22:00 hrs  procure alguma solução mais altruísta, ou junte o grupo em uma área isolada, distante, desligue o som e diminua o volume da conversa, é quase impossível, mas segure a gargalhada quando alguém contar aquela história engraçada que viveu um dia.

b) Precisamos maneirar um pouco galera e pensar por alguns segundos naquela pessoa que precisa dormir, seja qual for o motivo dentro do horário universal e lembre-se que um dia você poderá estar no outro grupo

Acampar é viver em comunidade, se você quer silêncio absoluto ou fazer um barulho que prejudique o seu vizinho nos horários impróprios alugue um sitio ou faça um camping selvagem no meio do mato. Viver em comunidade é respeitar o próximo e se preocupar com o bem estar de todos seja o seu ou do seu vizinho.

Não faça um pré julgamento,´não se julga um livro pela capa, antes de julgar o caráter da pessoa, chame-a para tomar um café e saiba um pouco da sua vida, fazer amigos é o que há de melhor no camping e isso só é possível com paz e cordialidade.

Enfim, como eu disse, esta é minha opinião, com certeza alguns argumentos podem ser diferentes às opiniões alheias, mas continuarei tentando achar meu lugar e tentando fazer todos entrarem no meu bastardo grupo 3.

Acampando no frio com bebê e criança 

Sou uma friorenta de nascença. Não suporto passar frio e fiquei muito relutante em acampar com as crianças no frio.
Quando estava casa em baixo do cobertor e um baita frio lá Fora, acampar era a última opção. Sempre batem as dúvidas: como vai ser? E como segurar um bebê que anda pra todo lado? E se eles ficarem  doentes?
Enfim, decidimos ir de ultima hora e  foi a melhor experiência   que  tivemos.  
 Tivemos 2 experiências de acampadas no frio: a primeira péssima e a segunda fantástica. Conforme vamos acampando nós aprendemos com nossos erros e também com a ajuda de nossos amigos campistas que estão sempre dispostos a dar uma força e sempre têm uma dica na manga.

Em junho do ano passado acampamos no Paineiras ( o relato da acampada ainda estáem revisão, em breve coloco no ar). Desta vez acampamos sozinhos e também nossa barraca era a única em todo camping. Foi péssima pra mim que tive insônia e ia no banheiro toda hora, faltou um isolante térmico e não colocamos cobertor para forrar o colchão. Fiquei doente com 40 de febre e acabamos nos mudando para um chalé para ficar uma noite pra decepção da minha filha que estava adorando tudo. 

Agora vamos para a parte boa: 

Neste último feriado de corpus cristi, acampamos no camping do Paiol em águas da prata, a diferença não foi o Camping em si mas as precauções que tomAmos em relação ao frio. As dicas abaixo são minhas em particular e as vezes divergem de outros campistas, mas podem ajudar quem se identificar com elas.

  1. Compramos cobertores de microfibra para nos cobrir em baixo do edredon e também para forrar o colchão que foi ótimo.
  2. Forramos o chão com lona embaixo da barraca e também uso isolante térmico que compramos por R$ 25,00 na decatlon
  3. Tomamos banho antes de anoitecer 
  4. Após o banho empacoto as crianças com máximo de acessórios possíveis, mas por fim elas arrancancam, pois sempre estão em movimento e acabam se esquentando.  Elas são quem menos sofre no frio, por incrível que pareça.
  5. Roupas térmicas: esta opção é para os mais friorentos como eu, podem ser encontradas na decatlon no setor de inverno e caminhada e em outras lojas também, acredite, ajuda muito. 
  6. Bebidas quentes alcoólicas ou não, sempre caem bem a noite
  7. Esta dica peguei com minha amiga Giovana do Blog Família Martineli.   Ainda não fiz vai ser uma boa solução pras mulheres que não tem o Privilégio masculino de fazer  xixi em uma garrafa, é cortar a parte de cima da caixa de leite que se encaixa perfeitamente à anatomia feminina. Conversei com várias mulheres campistas que resolveram o problema de sair no frio a noite pra usar o banheiro. Se eu soubesse disso quando fui Paineiras o inverno passado, não teria ficado doente por levantar várias vezes a noite pAra ir ao banheiro. 
  8. Esse é a mais importante: “o calor humano”.  Trocamos nossa barraca por umaT4.1 Arpenaz e ficamos todos juntos em um quarto, me deu até calor!!  Também acampamos em uma grande turma de amigos e fizemos uma pequena vila super animada então sempre tinha algo para esquentar, seja fazer pizza de frigideira a noite com as crianças montando os ingredientes, noite de comida japonesa, festa junina com quentão e uma grande fogueira. Isso não tem preço

Voltamos renovados, as crianças não ficaram doentes e a experiência nos deixou com um gostinho de “quero mais “.

Voltaria a acampar no inverno?

 vamos voltar com certeza!!!!! 

Nossas próximas acampadas já estão programadas com nossos queridos amigos de barraca.

Se alguém tiver alguma dica que não coloquei aqui, terei um grande prazer em acrescentá-la.
Abaixo, coloquei algumas fotos de nossa acampada de inverno:

 

  

 

                         

Maria Fedida queima sim!!! Proteja seu bebê!!!

No camping permanecemos sempre ao ar livre e na maioria das vezes à sombra das árvores.
Fizemos uma adaptação amarrando um guarda sol pequeno no carrinho, foi ótimo, ele ficava protegido do sol em pequenos percursos e também do que poderia “cair de cima”.
Isso mesmo!!! Eis que no último dia ( ô dia errado), tiramos o guarda sol para colocar no porta malas, quase na hora de irmos embora é neste pequeno espaço de tempo, vejo um bichinho caindo perto da cabeça dele, o bicho entrou atrás do pescoço dele muito rápido, só deu tempo de eu chamar a atenção do meu marido que estava junto e ele tentou pegar o bicho, mas assim que ele entrou atrás do pescoço, o neném chorou, meu marido tirou o bicho e disse: é uma Maria fedida, dito e feito, senti o cheiro na hora. Limpei o pescoço dele e um tempo depois vi que tinha um vergão grande no local. Ao chegarmos em casa levamos o neném no Ps e a médica disse que não era sério e receitou uma pomada que tínhamos em casa mesmo, acabei passando só Amilia ( um talco líquido excelente receitado pela pediatra dele), e no dia seguinte já tinha começado a “secar” depois de uns dias saiu a casca como de uma queimadura mesmo.
Mais uma vez eu falo, aprendemos com as nossas experiências, com as de outras pessoas e aprendemos também com os nossos erros.

Camping Cabreúva

Fomos ao camping Cabreúva por escolha de nossos amigos que nos convidaram para passar o feriado da páscoa.

O Pietro tinha apenas 6 meses e a Rafa 7 anos. Foi nossa primeira acampada como nossos pequenos integrantes. 

O camping é enorme com várias opções de lazer e várias piscinas. Tem uma parque aquático infantil com vários brinquedos em uma área cercada que no frio eles tiram a água e a criançada pode brincar no espaço, muito legal!!!

Nos feriados e alta temporada eles tem recreação com monitores, mas acabamos ficando longe e como estávamos em mais amigos as crianças acabaram ficando conosco o tempo todo. 

O atendimento é muito bom, a limpeza dos banheiros é frequente e as funcionárias que ficavam no banheiro eram super prestativas. Não vimos bagunça, som alto, etc.
No terceiro dia chegou uma turma próximo do nosso espaço que já ligou o som no ultimo volume e logo o
Pensei ” acabou o sossego”, mas não demorou 15 minutos e eles já abaixaram o volume após passar um rapaz de moto, creio eu que ele chamou a atenção da turminha barulhenta. 

Ponto super negativo: perto de onde ficamos tinha uma bateria de banheiros que atendia bem a demanda porém o aquecimento é solar e no fim da tarde e a noite a água ficava completamente fria!!!!!  Os homens não acreditavam porque isso só acontecia no banheiro feminino, se quiséssemos um banho “morno” tínhamos que tomar banho até no máximo 15:00 horas. No primeiro dia fomos tomar banho mais tarde, imagine só tomar banho e dar banho no bebê com água fria, o pior é que o tempo estava meio friozinho. Por sorte pude contar com a ajuda da minha cunhada e da minha amiga que estava comigo.  Todos os campings deveriam pelo menos ter um trocador portatil com banheira que custa um pouco mais de R$ 100,00 para facilitar as mamães com bebês pequenos que ainda não ficam em pé.

 Como o Pietro tinha 6 meses, foi super tranquilo, ele ficava no carrinho, no tapete da quechua e ganhando mimos no colo. 

Adaptamos um guarda sol pequeno no carrinho para protege-lo enquanto andávamos. Como o camping é bem grande, fazíamos uma pequena caminhada até a área das piscinas. 

Voltaria novamente? Com certeza sim!!!

Abaixo as fotos:

   
                           

Use o protetor solar mesmo na sombra

Os primeiros itens que lembramos ao viajar com crianças e bebês, seja no campo ou na praia são: protetor solar e repelente, em seguida vem a bolsinha de primeiros socorros e os demais pertences.
Acho importante relatar no blog experiências boas, dicas e também as experiências ruins para que outras mamães não cometam os mesmos erros que eu.
Sou extremamente zelosa e preocupada com as crianças, até demais, tanto que todos sempre dizem para eu respirar um pouco porque exagero.
No feriado de páscoa acampamos por 4 dias com o Pietro de 6 meses, todos os dias eu passava protetor, repelente, mantinha ele sempre à sombra, agasalhava quando ameaçava esfriar e todos os outros cuidados necessários. No último dia quando estávamos desmontando o acampamento não fomos nas piscinas, ficamos na área das barracas sob a sombra de árvores e não passei o protetor solar, pois o protetor estava irritando os olhos dele.
Ele não ficou exposto ao sol, mas o mormaço também queima e na hora a gente não percebe, pois a bochecha dele ficou ligeiramente vermelha, no retorno fazia sol, mas ele sempre à sombra. Quando chegamos em casa a noite percebi como ele estava vermelhinho e pra completar uma “Maria fedida” havia pousado e machucado o pescoço dele, veja o relato em outra matéria. Não tive dúvidas, corri para o hospital, por sorte não era grave, a médica orientou apenas a hidratarmos ele bastante e em relação a queimadura da Maria Fedida, ela receitou uma pomada que tínhamos em casa.
Por fim acabou tudo bem, mas me senti a pior mãe do mundo, no Ps a médica e as enfermeiras me olhavam com sensura como se eu tivesse deixado o neném exposto no sol.
Eu sempre soube dos cuidados, sabia que mormaço queimava, mas como não estava na praia “vacilei”, errei e nunca mais cometerei a mesma falha. Nas próximas vezes, cuidado triplicado e o protetor solar vai ser começado a usar assim que amanhecer o dia.

Tapete Camping Quechua

Esta sim foi uma ótima aquisição. Comprei o Tapete Camping Quechua na Decathlon, após vê-lo como sugestão em alguns blogs.

A descrição do site está como: DESENVOLVIDO PARA, o campo de base do praticante de caminhada. Mas no nosso caso vai bem além disso. 

Imagem

Ele é impermeável e de fácil transporte. Coloquei para o bebê brincar e rolar a vontade e também usei como trocador, pois quando dobrado ele fica fofinho. Dentro da barraca eu colocava no chão ou no colchão para trocá-lo e também pode ser colocado em cima de uma mesa. 

Acampamos pela primeira vez com o Pietro de 6 meses no Camping Cabreúva, e na hora do banho, como estava acompanhada da minha cunhada e de uma amiga, ele tomava banho comigo no chuveiro e a troca era no tapete colocado em um banco de concreto.

Ótimo para um cochilo e as crianças adoraram. Recomendo!!!

Imagem